Não as Reformas Trabalhistas e Previdenciárias

Não às Reformas Trabalhista e da Previdência!

 

Chega de miséria!

                                    Já são mais de 23 milhões de desempregados no Brasil, formando um exército de pais e mães de famílias desesperados; aumenta o número de pessoas sem ter onde morar, porque não é possível pagar aluguel com o salário que ganham. O custo de vida está altíssimo.

A resposta do Governo Temer à crise econômica só piora a triste situação do povo trabalhador. Temer, junto com esse Congresso corrupto, é o responsável pela aplicação de políticas que atacam os direitos dos trabalhadores e garantem os privilégios da burguesia. Mais uma vez, empresários, banqueiros e governos querem jogar a crise da economia nas costas da classe trabalhadora. Quando a economia cresce, os lucros ficam com as grandes empresas e os bancos. Quando vem a crise, ela é atirada nas costas dos trabalhadores: é sobre nós que recaem o desemprego, a eliminação de direitos, o arrocho dos salários.

Essa crise não é nossa!

                                   Querem que os trabalhadores paguem a conta da crise, para que os ricos fiquem mais ricos e os pobres mais pobres. Tudo isso para continuar pagando as dívidas externa e interna que tiram 50% do orçamento do país para dar para os banqueiros e aos agiotas. Por isso, nenhuma confiança no governo Temer e nesse Congresso controlado por banqueiros, latifundiários e grandes empresários, a serviço dos ricos e poderosos.

O governo acabou de aprovar a PEC 55 que congelou por 20 anos os investimentos em serviços públicos essenciais à população, especialmente nas áreas da Saúde (Sistema Único de Saúde) e Educação (pública e gratuita), até o não reajuste do Salário Mínimo, que atinge especialmente os aposentados.

E, na carona da PEC 55, o Governo Temer quer impor goela a baixo dos trabalhadores uma Reforma da Previdência, cujo principal objetivo é justamente punir quem mais contribuiu com o benefício, garantindo aposentadoria para os trabalhadores somente a partir dos 65 anos.

Pretende ainda uma ampla Reforma Trabalhista, que na prática significa atacar os direitos conquistados pelos trabalhadores na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) tais como 13º salário, pagamento de horas extras e férias de 30 dias, implementadas há 73 anos. Um dos pontos de maior pressão da atual agenda governamental é a terceirização, que irá beneficiar diretamente os patrões.

Veja mais detalhes das reformas nos links abaixo:

        • Reforma da Previdência: Trabalhar até morrer!

    - A Grande Farsa da Reforma da Previdência!

        • Reforma Trabalhista: Destruir a CLT!

        • É hora de construir a Greve Geral!