NENHUM DIREITO A MENOS!

No último domingo (15), o novo ministro da fazenda, o banqueiro Henrique Meirelles falou claro que eram necessárias 3 medidas fundamentais: Reforma da Previdência, Corte nos Gastos Públicos e Aumento da Produtividade (leia-se diminuição dos salários). 

Da Redação
Foto: Richard Selestrino

A aprovação do impeachment do governo Dilma pelo Senado vai abrir o Planalto para um governo Temer/Cunha/Aécio.
A burguesia brasileira está apostando em um novo governo que proporcione melhores condições para acelerar os ataques à força de trabalho, reduzindo seus custos e aumentando a exploração direta e indireta, sugando mais-valia como um vampiro suga o sangue da vítima, atacando direitos e conquistas da classe trabalhadora.

TERCEIRIZAÇÃO

Um destes ataques é a PL 4330/2004, que promete legalizar a terceirização não apenas das atividades-meio, mas também das atividades-fim.
As condições econômicas dos trabalhadores e da juventude continuarão a se deteriorar no próximo período e as lutas vão crescer.
O governo Temer não terá chances de conquistar estabilidade. O trabalho que realizaram com o Impeachment dia 17 de abril vai frutificar liberando mais e mais forças em luta contra esse sistema podre.

POLÍTICOS CORRUPTOS

Estes políticos, unidos pelos interesses mais escusos e privados ignoraram, inclusive, os avisos de todas as burguesias imperialistas, e deram o toque de derrubada do governo sem que eles próprios tenham a menor unidade, legitimidade ou popularidade para governar.
Os maiores jornais imperialistas do mundo (New York Times, Wall Street Journal, Le Monde, Financial Times, The Economist) alertaram estes partidos burgueses provincianos e mafiosos para a aventura em que se metiam se aprovassem o impeachment.
Avisaram que era um salto irresponsável no escuro um impeachment realizado por um Congresso onde a maioria é réu ou acusada de corrupção.
Alertaram para a criação de uma situação incontrolável e que os defensores do impeachment não tinham nenhum governo minimamente estável para colocar no lugar, ao mesmo tempo em que lançavam uma parte considerável da população numa situação de combate aberto.

DESMORALIZAÇÃO 

A aprovação do impeachment pela Câmara aprofunda a desmoralização das instituições burguesas.
A votação do dia 17 de abril, onde os deputados que votaram a favor do impeachment declarando voto por seus filhos, famílias, religião, etc; mostraram a verdadeira face deste Congresso de corruptos e picaretas.
Não temos nenhuma dúvida que o Governo Temer e este Congresso pretendem atacar os direitos e conquistas dos trabalhadores.
No último domingo, o novo ministro da fazenda, o banqueiro Henrique Meirelles falou claro que eram necessárias 3 medidas fundamentais: Reforma da Previdência, Corte nos Gastos Públicos e Aumento da Produtividade (leia-se diminuição dos salários).
Temos consciência que só a mobilização e luta dos trabalhadores poderá impedir estes ataques.
Nós somamos a todos que gritam: Fora, Temer e esse Congresso Nacional!