sindicatos

  • Em coletiva antes do ato na Avenida Paulista nesta sexta-feira (10), os mais de 60 movimentos que compõem as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo falaram sobre os riscos do golpe em curso no Brasil e o que isso representa na retirada de direitos trabalhistas e sociais conquistados principalmente nos últimos 13 anos, nos governos Lula e Dilma.

  • SINDICALIZE-SE

    FORTALEÇA A SUA CATEGORIA FORTALECENDO O SINDICATO

    A classe trabalhadora vem enfrentando uma serie de retirada de direitos e ataques às organizações sindicais. A reforma trabalhista de Temer em 2017 trouxe a precarização e enfraqueceu o poder de negociação dos trabalhadores junto aos patrões.

    Houve mudanças significativas nas regras para processos contra danos morais, direito ao seguro desemprego, vale transporte e a contribuição sindical, que deixando de ser obrigatória enfraquece o poder de mobilização dos sindicatos junto aos trabalhadores.

    A atual proposta de reforma da previdência vem seguindo no mesmo plano de precarização da vida do trabalhador e retirada de direitos. Somente através da luta organizada dos trabalhadores conseguiremos manter nossos direitos conquistados através de tantos anos de luta

    Para manter a categoria forte é essencial que os trabalhadores se unam e fortaleçam seu sindicato. Construa seu sindicato, seja sócio e participe ativamente da organização legítima de defesa dos direitos da sua categoria.

    sindicato

    Adicione o Sindicato no Whatsapp!

    Agora você pode se comunicar instantaneamente com o sindicato, enviar dúvidas, sugestões, denúncias e solicitar informações. Salve esse número na sua lista de contatos! (11) 3312-7778

     

     

  • A Frente Brasil Popular e a Frente Povo Sem Medo realizam manifestações unitárias em diversas cidades do Brasil e do mundo, nesta quinta-feira (31).

  • O ministro-chefe interino da Casa Civil, Eliseu Padilha, defendeu nesta quinta (16), em São Paulo, que, para o Brasil caminhar para “o amanhã”, fazer o que é aplicado no mundo hoje e facilitar a “competitividade”, o país precisa superar a legislação trabalhista criada por Getúlio Vargas.