Categoria: Ultimas Notícias

Impeachment popular de Bolsonaro é protocolado na Câmara

Cerca de 400 movimentos sociais e entidades, juntamente com partidos de oposição como PSOL, PT, PCdoB, PCB e UP protocolaram no dia 21 de maio de 2020 o maior e mais amplo pedido suprapartidário de impeachment do presidente Jair. Após o protocolo, houve um ato público realizado, às 11h, na Câmara dos Deputados para apresentar os principais apoios e argumentos ao pedido de impedimento.

Entre as alegações que justificam o pedido impeachment estão o bloqueio da compra de respiradores e outros equipamentos de saúde por estados e municípios, a convocação de empresários para a “guerra” contra governadores, tudo isso durante a pandemia de Coronavírus; a convocação e comparecimento nos atos contra a democracia e a favor do fechamento do Congresso e do Supremo Tribunal Federal, reforçados por diversos discursos contra o STF; as tentativas de interferência na Polícia Federal; e as declarações durante a reunião ministerial de 22 de abril.

Para entender mais sobre o impeachment e quem são as entidades, os movimentos sociais e os partidos que o apoiam, clique aqui.

Categoria: Ultimas Notícias

Nova forma de funcionamento

Vidreiras e Vidreiros, vocês não estão sozinhos!

Devido à pandemia de Coronavírus, o Sindicato dos Vidreiros está cumprindo o distanciamento social recomendado pelas instituições mundiais de saúde e, apesar das portas fechadas, mantivemos o atendimento telefônico em nossa Sede:
De segunda a sexta, das 10h às 14h45.
Basta ligar para (11) 3312-7777.

Qualquer dúvida ou solicitação, os e-mails do Sindicato também estão funcionando normalmente, os diretores podem ser acessados via WhatsApp ou nos mande um inbox no Facebook.

O atendimento jurídico está acontecendo de maneira remota, com os advogados trabalhando de suas casas.

O serviço de declaração de imposto de renda foi retomado. Para agendar um atendimento, entre em contato através do telefone/WhatsApp: (11) 99560-9639 – Gerse.

Conte sempre com o seu Sindicato!

Categoria: Ultimas Notícias

Feriado 25 de maio

As atividades do Sindicato permanecerão suspensas também na segunda-feira, 25 de maio, após decisão da Assembleia Legislativa de antecipar o feriado da Revolução Constitucionalista (09 de julho).

Nossas atividades serão retomadas normalmente na terça-feira, 26 de maio.

Nesses dias, caso precise, entre em contato através dos nossos e-mails ou do WhatsApp dos diretores.

E só saia de casa o mínimo necessário para que, juntos, possamos diminuir a contaminação por Coronavírus em nosso estado e salvar vidas!

#PararPelaVida

#VidasAcimaDosLucros

Categoria: Ultimas Notícias

Retomada do serviço de declaração do Imposto de Renda

O serviço de declaração de imposto de renda oferecido pelo Sindicato dos Vidreiros a associados e não associados será retomado de maneira remota.

Quem optar por esse serviço, deverá entrar em contato com Gerse através do telefone/WhatsApp: (11) 99560-9639. O valor a ser pago é de R$40,00 para sócios do sindicato e R$80,00 para não sócios.

Lembrando que, neste ano, o prazo final para auxiliarmos em sua declaração foi estendido até 10 de junho.

Não deixe para a última hora e agende já um atendimento!

Categoria: Ultimas Notícias

Nota de Pesar

Diante da pandemia de Coronavírus e do crescente número de contaminados e mortos pela doença, nós, a Diretoria do Sindicato dos Vidreiros do Estado de São Paulo, nos solidarizamos com todas as pessoas que adoeceram e com as que faleceram em decorrência de Covid-19.

Prestamos aqui também nossas condolências aos familiares que perderam entes queridos.

E é, principalmente, em respeito a essas pessoas que não deixaremos de lutar pelas trabalhadoras e trabalhadores do ramo vidreiro e suas famílias.

Diretoria Executiva
#VidasAcimaDosLucros

Categoria: Ultimas Notícias

O que comemorar no 1º de maio de 2020?

Desde o Dia do Trabalho de 2019 até hoje, duras perdas de direitos foram impostas por um governo que está mais preocupado com os empresários e com a economia do que com as pessoas que sustentam tudo isso: a classe trabalhadora.

A Reforma da Previdência, aprovada em novembro de 2019, vai obrigar as mulheres a trabalharem até os 62 anos e os homens até os 65. Além disso, para receber integralmente o salário após a aposentadoria, serão necessários 35 anos de contribuição previdenciária para elas e 40 anos para eles.

Outro ponto de enfraquecimento dos direitos trabalhistas proposto pelo governo é a Carteira Verde e Amarela que, por pressão dos sindicatos dos trabalhadores, acabou não sendo votada no Senado e, por enquanto, perdeu a validade. Disfarçada de avanço, ela é, na verdade, um retrocesso para trabalhadoras e trabalhadores brasileiros, já que enfraquece o empregado na negociação com os patrões. Obrigando o trabalhador a se sujeitar à precarização para não perder o emprego.

Entre outras perdas impostas, destacamos que a Carteira Verde e Amarela também não considera como acidente de trabalho incidentes ocorridos no trajeto entre a ida ou volta do trabalho, afrouxa as regras e diminui o valor pago referentes à periculosidade, desobriga o empregador a pagar hora extra aos domingos e feriados, desde que dê folga compensatória em algum outro dia.

Nem mesmo durante a pandemia de Coronavírus os trabalhadores tiveram seus direitos resguardados pelo governo. A Medida Provisória 936, finge proteger empregados quando, na verdade, é favorável apenas aos patrões. Com a flexibilização da jornada e dos salários e dos contratos de trabalho, na verdade, a MP está precarizando as condições de trabalho, enfraquecendo o empregado frente aos empregadores e tentando dificultar a atuação do sindicato na defesa dos direitos trabalhistas.

A MP 936 permite que os contratos possam ser suspensos e a jornada reduzida sem que o sindicato ao menos seja notificado ou possa tentar um acordo coletivo para que o trabalhador não seja prejudicado. Principalmente o trabalhador que ganha menos.

O governo também está dificultando o pagamento do auxílio emergencial, uma de suas obrigações mais básicas, visto que o Artigo 6º da Constituição Federal garante que “são direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o transporte, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição”.

Muitas pessoas não estão conseguindo garantir o seu direito de receber esse auxílio, já que não têm acesso à internet ou precisam se sujeitar a longas filas e aglomerações para conseguir se cadastrar no programa. E, por fim, o governo ainda está demorando para liberar o pagamento, deixando a população abandonada.

Em um ano, as trabalhadoras e trabalhadores brasileiros perderam muito mais do que ganharam. O governo também não mediu esforços para tentar enfraquecer e limitar a atuação dos sindicatos, pois sabe que eles são os responsáveis por defender os trabalhadores.

O Sindicato dos Vidreiros, através de negociações e da convenção coletiva, tem enfrentado esses desmandos sem abandonar o trabalhador. Barramos artigos da Carteira Verde Amarela em nossa convenção, estamos lutando para minimizar as perdas dos trabalhadores durante a pandemia de Coronavírus e seguiremos lutando em busca do melhor para as vidreiras e vidreiros paulistas. Por isso, contamos também com o apoio de todos os trabalhadores do setor para que se juntem à nossa luta, fortaleçam o seu sindicato e, unidos, consigamos superar esse período difícil sem perder direitos.

Parabéns a todas as Vidreiras e todos os Vidreiros pelo Dia Internacional do Trabalho!

A luta continua!

#LutoPelosDireitosDosTrabalhadores

 

Categoria: Ultimas Notícias

Antecipação de feriados

Obedecendo à determinação da Prefeitura de São Paulo na tentativa de conter a pandemia de Coronavírus na cidade, o Sindicato dos Vidreiros suspenderá suas atividades entre quarta e sexta-feira, ou seja, entre 20 e 22 de maio.

Os feriados antecipados foram o de Corpus Christi (11 de junho) e o de Consciência Negra (20 de novembro).

Caso a Assembleia Legislativa aprove a antecipação do feriado da Revolução Constitucionalista (09 de julho), as atividades permanecerão suspensas também na segunda-feira, 25 de maio.

Nesses dias, caso precise, entre em contato através dos nossos e-mails ou doWhatsApp dos diretores.

Categoria: Ultimas Notícias

Sindicato segue com atendimento remoto até 31 de maio

Observando as orientações das instituições mundiais de saúde e o crescente número de doentes e mortos, o Sindicato manterá a Sede e as Subsedes fechadas até 31 de maio, em um esforço para conter a transmissão do Coronavírus e, assim, contribuir para a contenção da pandevia de Covid-19.
Qualquer solicitação, dúvida ou denúncia, por favor, entre em contato conosco por e-mail, telefone dos diretores do Sindicato, WhatsApp de denúncias ou Facebook. Continuamos atendendo os trabalhadores através dos nossos diversos canais de comunicação.
O atendimento jurídico também continua sendo realizado pelos advogados, de maneira remota.
Por medida de segurança, o Sítio dos Vidreiros e a Colônia de Férias continuarão fechados até 30 de junho.
Permanecemos ativos na defesa dos trabalhadores, lutando por seus direitos, saúde e segurança.
Diretoria Executiva
#PararPelaVida

Categoria: Ultimas Notícias

Sindicato negocia com empresas vidreiras em Ferraz de Vasconcelos

O Sindicato dos Vidreiros do Estado de São Paulo continua cuidando ativamente dos interesses dos trabalhadores do setor. Na região da Subsede de Ferraz de Vasconcelos, os diretores se reuniram com as empresas Cristaleria Mundial, Luvidarte, PKO do Brasil e Triax Espelhos, para debater soluções em favor das vidreiras e vidreiros diante da crise ocasionada pela pandemia de Coronavírus.

Mesmo com a suspensão da necessidade de negociação coletiva com os sindicatos, impostas pela MP 936, em conversas com as empresas, o Sindicato dos Vidreiros conseguiu minimizar possíveis prejuízos maiores e permanentes para os trabalhadores e os empregadores suspenderão temporariamente os contratos de trabalho por um prazo máximo de até 60 dias.

O trabalhador que tiver seu contrato de trabalho suspenso, receberá o equivalente a seu seguro desemprego (pago pelo governo ou pela empresa e governo, a depender do porte da empresa) e, após a volta da vigência do contrato, não poderá ser demitido pelo mesmo período de tempo em que ele foi suspenso. Por exemplo, se o contrato foi suspenso por 60 dias, quando voltar ao emprego, o trabalhador não poderá ser mandado embora pelos próximos dois meses.

O Sindicato está ciente de que essa não é a melhor solução, porém, diante da perda de poder de negociação imposta pela MP 936, entendeu que, nesse caso específico, o trabalhador sofreria menos prejuízos em longo prazo se empresas e Sindicato chegassem a esse acordo. Por isso, apoie o seu Sindicato e junte-se a nós para que consigamos ter mais força em defesa dos trabalhadores.